fbq('track', 'AddPaymentInfo'); fbq('track', 'InitiateCheckout'); fbq('track', 'Lead'); fbq('track', 'ViewContent'); fbq('track', 'Purchase', {value: 0.00, currency: 'USD'});
top of page

O princípio da FIDELIDADE (Parte 2)


“Que os homens nos considerem, pois, como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. Ora, além disso, o que se requer nos despenseiros é que cada um seja encontrado fiel.” (I Coríntios 4:1,2)


À medida que vamos mergulhando na Palavra de Deus, vamos aprendendo mais e mais sobre esse princípio poderoso que é a FIDELIDADE, e passa a ser normal que cada um de nós vivamos em busca de exercer fidelidade. Esse deve ser um de nossos alvos.


No estudo passado, aprendemos um pouco sobre o que é FIDELIDADE, esse princípio tão poderoso que todos nós devemos exercer. Agora, vamos aprender dois aspectos importantes que a FIDELIDADE gera:



1. Fidelidade gera temor

“O temor do Senhor é o princípio da sabedoria.” (Provérbios 1:7)


Quando decidimos ser fiéis, estamos estabelecendo pactos e buscando alianças de relacionamentos como o nosso relacionamento com Deus, com as pessoas, com causas específicas e conosco mesmo. Cada um desses relacionamentos traz níveis desafiadores e nós precisamos decidir implantar fidelidade.


Não existe fidelidade no isolamento. No isolamento, nada é testado. Tudo é muito fácil quando a pessoa está no seu horizonte, no seu mundinho fechado. Se quisermos ver se temos o caráter fiel e o temor gerado, devemos buscar no relacionamento e na coletividade.


Nenhum ser humano é testado na fidelidade se em todos os momentos estiver isolado, sozinho. Ninguém é fiel a si mesmo sem ser testado com os outros. “Afia-se o ferro com o ferro; assim o homem afia o rosto do seu amigo” (Provérbios 27:17)


Passar por privações com as pessoas é algo necessário; seremos provados nos relacionamentos. Precisamos, então, deixar essa postura ensimesmada, porque quando nos enchemos de nós mesmos, machucamos as pessoas e todos os que se aproximam de nós acabam sendo feridos por conta do nosso exclusivismo.


A fidelidade gera temor na vida e no coração. É como estabelecer pactos. Porém, para tanto, é necessário ter temor no coração. Temor não é caminhar com medo, mas vencer o medo para nascer o temor, o respeito sadio à autoridade, buscando a saúde no relacionamento.


Precisamos nos aliar às pessoas e aos relacionamentos que nos curem, que nos tragam vida. O desafio da fidelidade é uma das grandes marcas deste mover de Deus para nós, que gerará o temor sadio que chamamos de respeito.


É muito importante nos relacionarmos com respeito. Uma família que nutre o respeito vive em paz. O marido deve respeitar a esposa e a esposa deve respeitar o esposo para que os filhos respeitem os pais a partir de um testemunho irrepreensível.


Em nossa relação com Deus, o homem respeita Deus porque Deus respeita os homens. Ele é maravilhoso e o maior modelo para nós de todos os atos que alguém pode realizar aqui na Terra. Precisamos nos mover com essa força de um relacionamento sadio e sem neuroses, que nos leva a uma vida de sabedoria. Temos a necessidade de romper com os limites da alma para que Deus faça coisas novas.


A forma de nos rendermos a Deus é através do temor, através dos princípios de Sua Palavra. O temor do nosso coração dará testemunho de que nós temos uma vida de sabedoria. O interessante é que na Bíblia a sabedoria é o próprio Deus. Deus é a fonte da sabedoria. Deus é a fonte de toda fidelidade. Quando agimos em temor, em profundo respeito em todas as áreas, significa que a vida de Deus está em nós.



Continua...


1.962 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page